quarta-feira, março 07, 2007

É importante lembrar...

Hoje uma coisa inesperada aconteceu. Uma pessoa postou um comentário neste blog, dizendo que parou de falar comigo, muito tempo atrás, e que não lembrava mais o que aconteceu.

Bom, acho que é importante a gente lembrar, de vez em quando.



Era maio, sem dúvida. A Cláudia Pacífico apareceu na minha casa, para uma visita informal. Ela estava passeando, despreocupada. Era sábado de manhã, e ela e a Urbana Denise (que saudade da 'Bana Bacana'...) tinham planos para sair mais tarde, elas iam ao Café Piu Piu, no Bairro do Bixiga, e a Urbana não tinha compania para aquela noite. Assim, como era o dia do meu aniversário, eu aceitei o convite para sair com eles, e, como a Cláudia Pacífico não tinha nada para fazer, eu pedi que ela me acompanhasse ao Shopping, para me ajudar a escolher umas camisas.

Ela aceitou, e fomos no carro dela. Eu gostei de umas camisas da Hering, especialmente de umas com mangas compridas (eu sempre gostei de camisas de mangas compridas), e pedi para ela ajudar a escolher cores. Ela achou que eu ficava bem de vermelho, e eu levei uma, sem pestanejar.

Combinamos de nos encontrar mais tarde, e fomos todos juntos para o Café Piu Piu. Foi uma noite divertidíssima, que terminou com todo mundo amontoado no carro da Cláudia Pacífico, comigo indicando o caminho para a praia, em pleno domingo de manhã. Claro, a gente não chegou a ir para a praia, as meninas estavam acabadas, e queriam muito ir para casa.



Um tempo depois, acho que entre junho e agosto do mesmo ano, o Luiz Cláudio, uma pessoa que eu tive em alta conta por muito tempo, me convidou para aparecer num show do YesSongs, que ia acontecer no mesmo Café Piu-Piu. Eu cheguei cedo, guardei uma mesa, pedi uma cerveja e me ajeitei para ver um ótimo show.

Claro, não foi bem assim que a coisa aconteceu.

Quando o Luiz Cláudio chegou, acompanhado pela namorada do momento (alguém me contou depois que era a Mary, eu esqueci completamente - me desculpe, Mary), e sentou, rolou um momento de silêncio engraçado, em que a gente estava procurando alguma coisa para falar. Rolou uma conversa de corredor, comentários que a gente sempre fazia, uma ou duas piadas de momento.

Quando o silêncio voltou, a menina que estava com o Luiz Cláudio abriu a boca e me fez uma pergunta esquisita. Ela disse "Bonita camisa vermelha. Quem foi que te ajudou a escolher?".

Aqui, cabe um comentário interessante: a tal namorada do Luiz Cláudio foi um tanto inxerida, e outro tanto maldosa. Inxerida, perguntando não "onde", mas "quem". Parecia até que ela sabia de alguma coisa que eu não sabia. Maldosa, insinuando que eu não poderia ter escolhido uma camisa bonita sozinho.

Claro, eu já ia na terceira cerveja, e realmente não estava ligando muito para este tipo de coisa. Respondi imediatamente, sem medir conseqüências, sem pensar que alguma coisa poderia dar errado com uma resposta tão simples: "Ah, foi a Cláudia Pacífico quem me ajudou a comprar a camisa". Claro, eu poderia ter usado um pouco mais de tato, sem dúvida. Mas o namoro do Luiz Cláudio com a Cláudia Pacífico, era, para mim, uma coisa morta e enterrada fazia muito tempo. Eu estava levemente alcoolizado, e entre amigos, não estava na defensiva, nem prestando muita atenção no que eu dizia.

O que aconteceu foi que o Luiz Cláudio disse alguma coisa que para mim soou como uma interjeição exclamativa revoltada, e começou a me perguntar quando foi que eu comprei a tal camisa. Novamente, eu poderia ter desviado o assunto, mas não vi maldade e respondi a pergunta, enquanto o Luiz Cláudio puxava um telefone celular do bolso.

Por uns breves instantes, eu achei que ele ia telefonar para a Cláudia Pacífico, para tomar satisfação sobre os motivos pelos quais ela tinha ido me visitar no dia do meu aniversário e me ajudado a escolher uma camisa. E acho que a tal namorada do Luiz Cláudio pensou a mesma coisa.

O que aconteceu foi, na minha opinião, a segunda pior coisa que poderia ter acontecido: o Luiz Cláudio estava procurando no calendário, roxo de ciúmes, para saber se quando a Cláudia Pacífico esteve comigo eles ainda estavam namorando ou se já tinham rompido.

Eu demorei muito tempo para entender qual era o problema dele, e fiquei mais confuso ainda quando a namorada dele, que entendeu muito depressa que ele estava com ciúmes da ex-namorada, na frente dela, repreendeu ele na minha frente, quase chorando.

A reação do Luiz Cláudio (óbvio) foi explodir (mais), levantar-se, sair da mesa, descer para o bar, e me deixar sozinho na mesa com a namorada dele. :-P Ela ficou ali, parada, uns 10 segundos, antes de sair atrás dele, sem me dizer nada, como se eu não estivesse ali.

Eles não voltaram, e eu fiquei bêbado sozinho e assisti a um bom show do YesSongs antes de me aborrecer e ir para casa.



Em nome da longa amizade que eu tinha com o Luiz Cláudio, eu relevei isso e voltei a falar com ele quando a gente voltou a se encontrar. Mas ele continuava muito zangado comigo, e não quis falar comigo, nem dentro da casa dos meus pais. Ele se dirigia a mim dizendo coisas para o meu irmão, como se estivesse dando recados: "diz para o teu irmão que...".

Eu acredito que qualquer aprendiz de samurai ficaria muito envergonhado se presenciasse tamanha quantidade de infantilidade e falta de educação juntas. Eu não queria brigar, fui paciente, e simplesmente atendi ao pedido do Luiz Cláudio, não insisti mais e parei de tentar falar com ele.



Isto, pelas minhas contas, aconteceu há mais de cinco anos atrás.

Luiz Cláudio, espero que isto lembre a você por que eu parei de falar com você: parei porquê você pediu. Veementemente.

E, depois de tanto tempo, já não sinto mais falta.

Lamento, mas, depois de pensar e pesar muito bem o que aconteceu comigo, de reparar que você simplesmente "se esqueceu" da história, que não se preocupou em me pedir desculpas (eu me desculparia!), e sobre as coisas que você fez para o meu irmão, para a minha cunhada, e para muitas outras pessoas, eu resolvi que valia à pena lembrar você do motivo de você não estar mais falando comigo.

E, como eu sempre me esforcei para ser uma pessoa justa, eu me comprometo publicamente a publicar (ou a oferecer um link) qualquer comentário ou texto que você poste em resposta, mesmo que o conteúdo seja ofensivo e de baixo calão.

Se, daqui a mais cinco anos, você precisar lembrar de novo, pode perguntar, porquê é importante lembrar...

Atualização:
eu tinha prometido colocar aqui um link para a resposta. Ela veio, como um comentário de um post falando sobre o clima; e eu cumpri minha promessa.

Nenhum comentário: