domingo, julho 13, 2008

Penso, Logo Mudo de Opinião

Hum. Conviver com Michael Schwern é sempre uma coisa interessante. A gente tem muita coisa em comum, é bom ter amigos como antigamente. O nosso relacionamento me lembra um pouco o começo da minha amizade com o Fábio Simpson. É um "filme" que eu não canso de ver reprisar, este de fazer amigos para a vida.

Ele partiu hoje de manhã, com um olho aberto e o outro fechado, de volta para Portland, US.

Ontem, depois que a gente voltou de jantar com o Manuel Gomes, falamos muito, sobre muitas cosias. Mas especialmente conversamos sobre o país dele, sobre política e sobre a forma como o governo é conduzido e afeta a vida da gente.

Eu fiquei balançado nas minhas convicções de não visitar os USA. Conhecer o Michael Schwern, a Ann Barcomb, e o Eric Herman, me deixaram na dúvida se não vale à pena aproveitar os (poucos, bons) amigos que o país tem a oferecer ao invés de me isolar e não permitir que as coisas boas filtrem no meio da palhaçada e da guerra de interesses.

Afinal, sobre político ganancioso, inculto e irresponsável eu tenho praticamente uma tese de doutorado (os espécimes brasileiros são exuberantes, em meio à "fauna" mundial).

Como dizia um professor da Escola Técnica, "eu penso, portanto mudo de opinião".

...

E, como eu mesmo costumo dizer, "eu tenho um cérebro aqui comigo e não tenho medo de usá-lo."

Nenhum comentário: